« Home | elegia pouco ortodoxa a uma velha » | retratos: o kéfrô » | o que queres ser quando... » | obstinação » | notas sobre a invisibilidade - II » | notas sobre a invisibilidade - I » | retratos: a estátua narcisista » | ensacar o quotidiano » | retratos: a (outra) nêspera » | adição » 

08 outubro 2004 

Lagutrop

1. Lagutrop já não é um país conservador - mas alguns pretendem inseri-lo numa lata de conservas. Os políticos de profissão actuam em circos e pocilgas e gostam de homílias desde que não sejam dadas à hora do jantar, porque isso dá engasgos. As mulheres às vezes vão a Badajoz e não trazem rebuçados e as moscas morrem electrocutadas na atracção dos raios roxos - uma invenção de um lagutropiano. Nas escolas de Lagutrop há professores que não gostam de mini-saias, outros que lançam anátemas sobre a folia nocturna, e outros ainda que pregam a abstinência sexual.

2. Há algumas semanas, numa terrinha de Lagutrop, um polícia entrou numa livraria e intimidou o propietário a retirar da montra um livro que tinha na capa a palavra "foder" (em Lagutrop a moral e os bons costumes são filigrânicos e inquietam-se com pouco). O homem disse que não e pôs cinco exemplares na montra para escândalo da maquilhagem das senhoras respeitosas que passavam. Em Lagutrop, afinal, nem todos os habitantes têm um osso ressequido no lugar da espinha dorsal.

|