« Home | para um novo proverbiário - II » | ah bruto! » | para um novo proverbiário - I » | esquerda, direita, volver » | Lagutrop » | elegia pouco ortodoxa a uma velha » | retratos: o kéfrô » | o que queres ser quando... » | obstinação » | notas sobre a invisibilidade - II » 

17 outubro 2004 

a tal noite escura



Ele acordou e viu que o dia não tinha amanhecido. Calçou os chinelos, comeu a sua dose matinal de cereais, vestiu-se sem tomar banho. Abriu a porta e deixou entrar o fumo negro que lá fora se acumulava. "A noite desfez-se e inundou tudo", pensou. Voltou para a cama e esperou pacientemente que o fim do mundo passasse.

|