« Home | coisas que não mudam » | fumo branco » | excitação platónica » | poemas de dois e quinhentos » | naufrágios » | top secret » | sociologia das segundas-feiras » | animais gasosos » | da virgindade (e da cultura) » | todo um programa político-filosófico » 

23 abril 2005 

[PUB]


Ultimamente, não tenho gostado muito do dia 25 de Abril. É um dia de ressaca e de comemorações. De patrimonialização engravatada de uma revolução a quem o ano passado quiseram tirar o "r". Do que eu gosto mesmo é dos dias em redor. Do 25 de Abril que se estende. Para trás, para a frente, para os lados. Do 25 de Abril que se pressente. Do que eu gosto mesmo é da noite de 24 para 25 de Abril: aqui, pelo contrário, tudo cheira a festa e rebeldia. Passem hoje pelo Ateneu de Coimbra se querem ver.

ATENEU DE COIMBRA [JUNTO À SÉ VELHA]
NOITE DE 24 PARA 25 DE ABRIL
QUEIMA DO FASCISMO
EXPOSIÇÕES DE REVISTAS
MÚSICA (QUARTETO A LATEJAR + DIABO A SETE)

|