« Home | o coleccionador » | coerência » | poesia pegajosa » | antídoto » | London, London » | depois do alarme » | até prova em contrário (II) » | Cabo Verde: 30 anos » | já para não falar dos telhados » | Sofia ou a maquilhagem de que gostamos » 

13 julho 2005 

não há coincidências



Primeiro foram os livros relativamente bem ilustrados da Alicia Galotti, espécie de Kamasutras simplificados para ocidentais (tenho dois, um melhor do que outro). A seguir vieram os diários das aventuras sexuais de mulheres de elite na pele de ninfomaníacas (tenho um com a palavra "nínfomaniaca" no título que abandonei aborrecido na página 23). Mais tarde - já este ano - apareceram uma série de relatos baseados nas experiências íntimas e laborais de strippers e escorts lusas (não compro, já folheei, têm muitas letras). Agora a novidade são os livros sobre orgasmos, embrulhados em capas bonitas que nos sugerem revelar a localização exacta do ponto G (vou a meio). No Natal virão obras sobre fumar um cigarro deitado.

|