« Home | fulminar » | três catástrofes nacionais (para além do fogo) » | memória das cidades futuras » | ceptro e sismo » | o manto diáfano dos incêndios » | haiku (ao meu novo animal de estimação) » | da escassez como estilo (ou um argumento que prova... » | o meio-bigode » | penitência » | silly season - 2 » 

08 agosto 2005 

o campo (que bem que se está)

Dona Maria de Lourdes ainda não parou de acampar. Em Vilar de Mouros ouviu o mugir das vacas. No Andanças provou chá de menta (entre uma sessão de relaxamento e um workshop de danças europeias). No Sudoeste entediou-se com o mocinho que tocava música clássica (mas gostou do Ben Harper). Em Paredes de Coura descobrirá a beleza do jazz na relva, o paladar da erva quente, o cheiro das papas de sarrabulho. A vida, decididamente, começa aos sessenta e cinco.

|