« Home | com sorte ainda me chamam "antropocêntrico" » | united colors of summer » | Coimbra, vinte e dois de Agosto » | antes o poço da morte » | o campo (que bem que se está) » | fulminar » | três catástrofes nacionais (para além do fogo) » | memória das cidades futuras » | ceptro e sismo » | o manto diáfano dos incêndios » 

25 agosto 2005 

pequeno dicionáro dos ses - I



Cid, José - Cantor português que poderia ter tido uma carreira de sucesso se tivesse deixado a música enquanto ainda se dedicava ao rock sinfónico em bandas com nomes ridículos e pomposos como os Quarteto 1111. Em 1978, editou o álbum "10.000 Anos Depois Entre Venus e Marte" que vale mais junto de coleccionadores japoneses do que as cuecas da Lady Di. Foi um dos maiores divulgadores do sebastianismo. Entretanto, esgalhou canções com letras como: "fazias-me as contas de multiplicar / e no fim das contas / ia-mos brincar". Mais recentemente, ficou conhecido pelo seu esforço em unir a babel europeia: "Addio, adieu, aufwiedersehen, Goodbye". Existe um blog chamado "Clube de fãs do José Cid" que fala muito pouco dele. Nos seus anos de estudante, foi acompanhado no grupo de jazz do Orfeon pelo famoso contrabaixista Daniel Proença de Carvalho.

|